Suspender ou não o IECA/BRA na DRC avançada?

Suspender ou não o IECA/BRA na DRC avançada?

“Stopping Renin-Angiotensin System Inhibitors in Patients with Advanced CKD and Risk of Adverse Outcomes: A Nationwide Study”

O efeito cardioprotetor e renoprotetor dos inibidores do sistema renina-angiotensina na Doença Renal Crônica (DRC) já é algo consolidado.

Entretanto, muitos nefrologistas e clínicos gerais ainda têm dúvidas se o uso dessas medicações é seguro e benéfico naqueles com disfunção renal mais grave, já que há um maior risco teórico de hipercalemia, hipotensão e piora aguda da função renal que antecipe a necessidade de Terapia Renal Substitutiva (TRS).

Para responder esta questão, Fu EL e colaboradores elaboraram um estudo que foi publicado no JASN em fevereiro de 2021, disponível em:

Confira abaixo os detalhes do estudo.

A partir do Registro Renal Sueco, foi selecionada uma coorte de adultos com DRC incidentes no estágio 4 e em uso de IECA/BRA entre 2007 a 2017.

Os indivíduos foram divididos em dois grupos: Casos (“STOP”), em que o IECA/BRA foi descontinuado em até 6 meses, e Controles (“CONTINUE”) em que se continuou o usou destas medicações até o fim do estudo.

A partir desta divisão, os autores emularam um ensaio clínico que tinha como alvo comparar os efeitos da suspensão de IECA/BRA em relação à continuidade do uso.

Por um período de cinco anos de acompanhamento, foram avaliados os riscos absolutos de: Eventos Cardiovasculares Maiores (morte ou hospitalização por Acidente Vascular Cerebral ou Infarto Agudo do Miocárdio), Morte por qualquer causa e necessidade de TRS.

Quais os principais resultados?

Foram selecionados 10.254 indivíduos, sendo 64% homens, com mediana de idade de 72 anos e de Taxa de Filtração Glomerular estimada (TFGe) de 23 ml/min/1.73m2, sendo 49,5% diabéticos.

A suspensão do IECA/BRA foi associada a maior risco absoluto de morte (54,5% vs. 40,9%), de eventos cardiovasculares maiores (59,5% vs. 47,6%), embora tenha sido relacionado a um menor risco de TRS (36,1% vs 27,9%).

Esses resultados não sofreram variação de acordo com função renal, albuminúria, potássio sérico, tempo de uso ou dose do IECA/BRA.

Quais os pontos fortes do estudo?

  • Grande tamanho da amostra;
  • Confirmação da aderência ao tratamento com IECA por dispensação farmacêutica;
  • Consistência dos resultados mesmos em subgrupos com diferentes níveis de potássio, TFGe e albuminuria.  

Quais os pontos fracos do estudo?

A decisão sobre a suspensão do IECA não foi randômica ou protocolar. Condição de Fragilidade e opção por tratamento conservador estendido podem ter influenciados nas decisões de retirada dessas medicações e acerca da indicação de TRS.

  • É uma análise observacional, podendo haver fatores confundidores não analisados. Não substitui, portanto, um ensaio clínico.

Quais são as cenas dos próximos capítulos?

O estudo STOP-ACEi é um ensaio clínico multicêntrico randomizado controlado que está em andamento e pretende fornecer resultados com maior grau de evidência sobre este assunto.